Hospitalar faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Sistema de saúde do Brasil caminha para a insustentabilidade e precisa mudar

O sistema de saúde do brasileiro caminha para a insustentabilidade. Esta é uma das principais conclusões da palestra “Como o Engajamento do Paciente e os novos Modelos de Cuidados Podem Definir o Futuro da Saúde Suplementar no Brasil”, proferida por Helton Freitas, diretor-presidente da Seguros Unimed, no Congresso Internacional de Serviços de Saúde – CISS, nessa quinta-feira, 23.

O sistema de saúde do brasileiro caminha para a insustentabilidade. Esta é uma das principais conclusões da palestra “Como o Engajamento do Paciente e os novos Modelos de Cuidados Podem Definir o Futuro da Saúde Suplementar no Brasil”, proferida por Helton Freitas, diretor-presidente da Seguros Unimed, no Congresso Internacional de Serviços de Saúde – CISS, nessa quinta-feira, 23. Além disso, na percepção dos pacientes há baixa integração dos serviços e há pouca confiança entre eles e os profissionais.

De acordo com Freitas, os custos e a ineficiência do atual modelo fragmentado estão comprometendo a sustentabilidade do setor, inviabilizando a permanência de grupos de clientes e limitando a expansão da cobertura para outros mercados. “Além disso, os clientes estão caminhando para uma maior exigência de resultados assistenciais efetivos, não só de disponibilização de um grande volume de prestadores de serviços”, acrescentou.

Por isso, é preciso uma mudança no sistema, com novas perspectivas estratégicas, sistêmicas, adotando o cuidado coordenado baseado em valor, levando em consideração a experiência dos pacientes e restabelecer a confiança entre eles e os profissionais. A saúde digital é outro caminho. “Ela pode ampliar o acesso ao sistema e a qualidade da assistência com menos recursos”, disse Freitas. “Mas é preciso integrá-la à estratégia geral de modelagem do cuidado, para complementar – e não substituir – a interação humana.”

A programação de hoje, último dia do congresso,  também contou com Leandro Fonseca da Silva, Diretor-Presidente e Diretor de Normas e Habilitação das Operadoras da ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar – Rio de Janeiro/BRASIL, com o tema “sustentabilidade e geração de valor em saúde”, com a moderação de Dr. Fábio Leite Gastal, Presidente do Comitê Científico do Congresso CISS.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar