Custos com tratamento de AVC crescem 27,41% em um ano

tratamento avcUm estudo da Orizon – empresa de serviços para os segmentos de saúde, seguros e benefícios – constatou que o tratamento de Acidente Vascular Cerebral, o AVC ou derrame, encareceu 27,41% em um ano, na rede privada de saúde. A empresa analisou os dados de 10.130 beneficiários, que entre os anos de 2014 e 2015 usaram o plano de saúde por conta da doença.

            O tempo médio de internação por beneficiário foi de 22 dias. “Do total de 10.130 vítimas de AVC, 5.910, ou seja, 58,34%, foram internados alguma vez no decorrer dos dois anos analisados”, afirma o revela o pesquisador da Orizon, Bruno Luiz de Carvalho. 

            O Acidente Vascular Cerebral é a segunda principal causa de morte no mundo de indivíduos acima de 60 anos de idade. A principal causa do derrame é a hipertensão arterial não tratada de forma correta. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o Brasil tem 47,5 milhões de hipertensos e somente 19,6% estão com os valores pressóricos adequadamente controlados. A hipertensão é responsável por 63 mil mortes anuais em decorrência dos AVCs.

            Ainda de acordo com a Orizon, Bahia e Distrito Federal apresentam a maior quantidade de eventos relacionados ao AVC no Brasil, com 52 e 51 beneficiários a cada 10.000, respectivamente. São Paulo tem 19 beneficiários por 10.000 e Rio de Janeiro registra 17 por 10.000.

            A Orizon oferece, para as empresas, consultoria em Economia da Saúde e estudos, como o do Acidente Vascular Cerebral, que podem fundamentar avaliações e direcionamento de investimentos em prevenção. Os trabalhos da Orizon têm reconhecimento internacional da ISPOR (Intenational Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research), o maior fórum mundial fármaco-econômico do mundo. Nas edições dos últimos três anos, a Orizon teve 10 estudos apresentados.