Hospitalar faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

200321_telemedicina.jpg

Telemedicina ganha força no combate ao covid-19

A comunicação entre médicos e pacientes via computadores se tornando realidade.

Em meio à pandemia do novo Coronavírus, que atinge o mundo todo desde dezembro de 2019 e já infectou mais de 4 mil pessoas no Brasil até o momento, o Ministério da Saúde, por meio da portaria n. 467 de 20 de março de 2020, autorizou que médicos exerçam diversas ações à distância enquanto durar a pandemia.

O documento contempla o atendimento pré-clínico, de suporte assistencial, de consulta, monitoramento e diagnóstico tanto no âmbito do SUS, como na saúde suplementar e privada. Neste rol, está incluída a modalidade da teleinterconsulta, que serve para a troca de informações e opiniões entre médicos, com o propósito de auxílio diagnóstico ou terapêutico.

A comunicação entre médicos e pacientes via computadores, tablets ou smartphones precisa ter seu sigilo de informações garantido, de acordo com o Conselho Federal de Medicina (CFM). Além disso, o atendimento à distância também deve ser registrado em prontuário médico.

Para emitir atestados, exames ou prescrever medicamentos, o profissional de saúde deve ter uma assinatura digital certificada (por meio de CPF ou CNPJ), que é o certificado de autenticidade. O objetivo é evitar fraudes e dar mais segurança tanto ao paciente, quanto ao médico. Na prescrição, além do CRM, constará a identificação do paciente, data e hora da consulta.

Na opinião de Lincoln Ferreira, presidente da Associação Médica Brasileira (AMB), a consulta do CFM foi precisa ao entregar o que é necessário em um momento de crise. 

O hospital paulistano Albert Einstein já está recrutando médicos para atuarem no combate à epidemia de Covid-19 com atendimentos à distância, por meio de sua uma plataforma de telemedicina. Clínicos e pediatras atenderão casos em geral e outras especialidades poderão ficar dedicadas ao Covid-19, com fluxos e protocolos de conduta bem definidos.

No site da Imprensa Nacional, é possível ler a íntegra da portaria n. 467, de 20 de março de 2020, que trata da telemedicina no período do novo coronavírus.

 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar