Hospitalar faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Aposta em novas tecnologias exige capacitação e engajamento para ter resultados

Uma mesa redonda uniu Jackson Fressato, fundador e CPO da Laura Networks, Ruy Baumer, CEO da Baumer, e Rafael Bueno, sócio responsável pela atuação da Everis no Brasil.

Uma mesa redonda uniu Jackson Fressato, fundador e CPO da Laura Networks, Ruy Baumer, CEO da Baumer, e Rafael Bueno, sócio responsável pela atuação da Everis no Brasil.

A discussão foi mediada por Carlos Goulart, presidente da Associacao Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde - Abimed. Entre os temas, destacou-se a aplicação da tecnologia em variadas frentes dentro de instituições de saúde, apoiando desde a otimização de recursos na gestão hospitalar até o processo de integração do corpo clínico.

Quem deu início à palestra foi Ruy Balmer, que ressaltou as vantagens da utilização de ferramentas de Inteligência Artificial e Big Data. Com elas, médicos obtém dados e estatísticas de diferentes fontes, acessando experiências do mundo todo em instantes. As informações aprendidas e combinadas pelo sistema geram probabilidades e ajudam a realizar um diagnóstico com mais rapidez, poupando horas de pesquisa e estudos.

As pessoas, cada vez mais conectadas, têm aumentado seu grau de exigência em relação aos tratamentos a que se submetem e querem saber mais sobre segurança dos seus dados pessoais e disponibilidade de informações.  

No caso do gestor, um dos principais desafios é eleger as melhores tecnologias, devido à uma proliferação de empresas de TI no mercado. Após a escolha, ainda há o caminho da implementação. “É imprescindível que haja uma equalização de todo o processo envolvendo todas as áreas, das operacionais até os gestores, para haver um aproveitamento real desta tecnologia”, disse Ruy Baumer.

Segundo Jackson Fressato, ter bons equipamentos não garante sua utilização de forma eficiente, o que já acontece no universo dos smartphones. Na prática, na área da saúde, essa distância entre a tecnologia disponível e a experiência de uso pode dificultar o trabalho, caso as instituições desconsiderem o contexto cultural – entre outras variáveis -- ao implementar máquinas e sistemas modernos.

Destaca, ainda, que o objetivo não é substituir a inteligência humana, mas dar apoio à decisão clínica dos profissionais, com seu máximo potencial. “O computador não faz nada sozinho. Deve-se mais do que buscar avanços tecnológicos, trabalhar em meios para otimizar o uso dos equipamentos que já existem”, avaliou.

Por sua vez, Rafael Bueno destacou a importância de manter-se conectado às pesquisas e mercado, ressaltando que o gestor deve estar sempre atento aos que é discutido e divulgado em feiras, fóruns ou esteja sendo desenvolvido por startups.

Para se encontrar uma solução, seja ela mais abrangente ou personalizada, deve existir um objetivo claro, levando as equipes a remarem na mesma direção.  “O Brasil tem evoluído bastante. Agora é entender sua aptidão e desafios e investir nos cenários digitais para obter soluções que funcionem com rapidez, agilidade e tenha aplicação prática”, concluiu.

O encontro foi parte da programação do Congresso Nacionais de Hospitais Privados (Conahp), e teve como objetivo discutir as novas funcionalidades e aplicações da tecnologia da informação para o cuidado do paciente. O evento é promovido todos os anos pela Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp).

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar