Hospitalar faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Saúde Digital ganha forma no mercado brasileiro

Caminhamos cada vez mais para a convergência. Por meio de tecnologias como Internet das Coisas, Big Data e Computação na Nuvem, a informação se torna fluida e presente, ao invés de estar centralizada em um único repositório.

Caminhamos cada vez mais para a convergência. Por meio de tecnologias como Internet das Coisas, Big Data e Computação na Nuvem, a informação se torna fluida e presente, ao invés de estar centralizada em um único repositório. Esses são os pressupostos da chamada Quarta Revolução Industrial, que traz implicações para todas as esferas produtivas.

Partindo dessa premissa, surgiu o termo Saúde 4.0, que pretende empregar toda essa rede de conhecimento e proporcionar ao paciente melhores cuidados e mais autonomia sobre o processo. Parte desta “revolução”, leva em conta que a relação entre o fornecedor de serviços de saúde e aquele atendido será mais transparente.

Nesse ponto, a Saúde 4.0 se aproxima de outra tendência que ganha cada vez mais força: a Humanização da Saúde que significa propor um ambiente melhor tanto para o paciente quanto para todos os envolvidos no atendimento. Estes pontos são abordados no ebook “A Grande Contribuição da Tecnologia  para a Saúde”, que a Hospitalar disponibiliza gratuitamente. Você pode fazer o download gratuito neste link.

Cultura da prevenção

É interessante de se notar que a Saúde 4.0 não remete apenas à soluções para quando o paciente está internado. O chamado monitoramento remoto, que avalia sinais vitais de doentes crônicos por exemplo, pode ser feito sem que o paciente precise ir até uma unidade de saúde, a não ser em casos de alguma alteração que necessite de atendimento médico.

Um exemplo de solução baseada neste princípio é o Wippe Saúde, que disponibiliza sua plataforma tanto para o usuário final, quanto para estabelecimentos. A plataforma monitora sinais vitais e outros índices e está integrada a uma central de alerta. Entre os ganhos no uso de plataformas como essa estão a vantagem econômica de poder antever os gastos a partir da análise de clientes cadastrados, no casos das operadoras e das instituições de saúde, além de diminuir filas e tempo de espera nas unidades. E, para o paciente, a oportunidade de ter um tratamento customizado de acordo com as suas reais necessidades.

Dentro do próprio setor da indústria também já existem iniciativas atuando na frente da prevenção. O Serviço Social da Indústria (Sesi) investiu no último ano em um projeto para o desenvolvimento de novas tecnologias que aumentem a segurança do trabalhador e permita que ele tenha acesso a informações sobre cuidados e manutenção de hábitos saudáveis.

Com orçamento de R$ 35 milhões, foram criados oito centros de inovação que atuam em linhas de pesquisa como Prevenção de Incapacidade, Economia para Saúde e Segurança, Ergonomia, Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde no Trabalho, Longevidade e Produtividade, Higiene Ocupacional, Fatores Psicossociais e Tecnologias para a Saúde. Entre as apostas do projeto, está uma plataforma digital para fornecer informações à distância com o propósito de reduzir os custos com consultas médicas e manter o trabalhador mais ativo em sua jornada.

Centralização da informação

Os benefícios da implementação de uma cultura de Saúde 4.0 não se refletem apenas para os pacientes. As instituições têm muito a ganhar com um ambiente conectado de informações. A adoção de tecnologias como o Prontuário Eletrônico do Paciente causam não só impactos na esfera dos recursos - afinal, haverá menos papel circulando nas unidades de saúde - como também para uma prática médica melhor.

A partir das informações armazenadas, o auxílio de uma equipe interdisciplinar e acesso remoto ao documento, o profissional estará munido para tomar decisões mais assertivas caso a caso, entregando um serviço personalizado para o paciente.

Outra tendência que parte da Saúde 4.0 é a centralização de serviços. Um dos exemplos recentes é o da Richet, no Rio de Janeiro, que inaugurou uma unidade que agrega serviços de diagnósticos de imagem e de laboratório. Dessa forma, o cliente pode em um mesmo lugar realizar os exames, sem precisar recorrer a outras unidades. O médico tem a mesma vantagem, já que pode ter uma visão mais globalizada do estado do paciente e é avisado quando o resultado dos exames está pronto e pode ser acessado pela internet.

Ocultar comentários

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar